Ribeirão Preto / SP - sexta-feira, 21 de julho de 2017

Cirurgia por vídeo - colorretal

Cirurgia colorretal laparoscópica

 
A cirurgia laparoscópica colorretal teve seu início nos anos 90. Trata-se de um método, menos invasivo que a cirurgia convencional (laparotomia), onde o médico acessa a cavidade por meio de pequenas incisões.  O acesso laparoscópico tem indicação em todas as enfermidades benignas dos cólons (cirurgias eletivas), tais como cirurgia da doença diverticular, doença de Crohn, retocolite ulcerativa, colectomias para tratamento de adenomas, e até mesmo cirurgias para casos selecionados de neoplasias intestinais (tumores de reto, sigmóide e tumores de cólon direito, desde que não sejam tumores em estágios avançados.

Principais vantagens do método

As principais vantagens da laparoscopia são menos dor no pós operatório, realimentação mais precoce, menos riscos relacionados a incisão cirurgica (hérnias, deiscência de parede), retorno mais rápido às atividades, alta precoce.
Retossigmoidectomia oncológica laparoscópica - exemplos
Paciente do sexo feminino, 45 anos, com neoplasia de reto --> submetida a cirurgia laparoscópica e alta no dia seguinte à cirurgia.  Na peça foram encontrados 17 gânglios, todos negativos para neoplasia.





Paciente de 62 anos, neoplasia de reto-sigmóide - T3N1M0 (2/14 gânglios comprometidos)


Mulher, com neoplasia de reto alto - T2N0Mx




Tumor de reto baixo, pós radio e quimioterapia - retirado por via laparoscópica, em conjunto com abordagem perineal. Excisão total do meso reto (retirada do tumor e de seus gânglios - linfonodos). Paciente permaneceu com colostomia em alça temporária.





Colectomia direita - paciente com Doença de Crohn íleo cecal

A cirurgia laparoscópica na doença de Crohn ileo cecal é uma excelente indicação do método. No caso em questão, temos um paciente do sexo masculino, com 41 anos, refratário do tratamento clínico, submetido a ileo-tiflectomia laparoscópica, que recebeu alta 48h após a cirurgia e retornou as suas atividades 3 semanas após o procedimento. Foi escolhido retirar a peça cirurgica pela incisão mostrada a direita, isto porque o paciente já tinha sido submetido previamente a apendicectomia.

Vídeo colonoscopia (abril  2014) - observem que o cólon tem mucosa normal, mas a válvula íleo cecal é deformada e estenosada e impede a passagem do aparelho

Trânsito intestinal (exame contrastado do intestino delgado) - estenose extensa do íleo terminal

Peça cirúrgica - fechada - produto de ileo tiflectomia

Peça aberta - íleo, válvula íleo cecal e ceco abertos - notem que o íleo terminal é muito doente estenosado e fibroso.

Aspecto ao final da cirurgia (pós operatório imediato)

Abdomen - Aspecto aos 15 dias de pós operatório